sábado, 20 de dezembro de 2008

três meses

ah ah ah ah ah lá vem você me ligando denovo...

;~~~~


saco, saco saco

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Sobre a dor da saudade.

A palavra excruciante é um exagêro, e por ser um exagero, é que o sentido é nela inserido. Ao ler essa palavra eu não descrevo uma sensação, eu revivo.

Reviver momentos são prazerosos e sofridos ao mesmo tempo.

A consciência de um passado bom que não volta mais é a pior das dores. É maior do que a dor da perda, é a dor da impossibilidade, da fraqueza do imutável, do que os olhos viram e agora se fecham para não abrir mais.

A saudade pode ser saudável, apesar das palavras não estarem relacionadas, pra mim, elas sempre foram provas vivas da humanidade dentro de mim, e agora no português elas tomam caminho juntas também, pelo menos no meu português.


Em toda situação da vida, alguem nos diz que a gente uma hora vai olhar pra trás e rir de tudo, como experiência passada.


Eu me pergunto quando essa hora vai chegar.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

The best thing is to let go

Existe vida sem você, e como é bela, como é bela.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Quando nem as palavras conseguem dizer o que eu quero.

Eu costumo dizer que me expresso melhor por palavras escritas do que as ditas.

Ultimamente, não sei se isso é bem verdade. Não que as ditas tenham mais expressividade, compreensão e fluência. Só acho que, ultimamente, não são mais as palavras que falam por mim, se é que um dia foram.

O corpo fala, e por mais que a gente tente, esconder isso é complicado. Não dá pra esconder o olhar distante, não dá pra ficar sempre falante e toda hora brilhar (E não foi a intenção rimar).

Eu me deparo com problemas criados para serem problemas, problemas criados para dar motivo a falta deles, para dar motivo a falta de emoção, ou simplesmente para dar motivo à falta; ou quem sabe motivar a falta, talvez seja esse o motivo que falta. Compliquei.

E eu complico porque é isso que eu faço, é disso que eu gosto, é tudo o que eu não quero, mas é tudo que eu preciso.

Ajuda, quem precisa de ajuda?
Se a gente não consegue achá-la no conforto das palavras, com certeza a unica solução é o que faz existir o problema em primeiro lugar.

Não há como fugir, se há, eu ainda não descobri.




Ao som de Such Great Heights com iron and wine.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Sob o mar verde de nuvens toscas.

Sabe quando você tá pensando em ir, ai vê a foto do mar verde, e pensa duas vezes, pq afinal, o mar tem que ser azul, e se na foto ele não é azul, imagina só pessoalmente.

Então, deixando todos os critérios de lado, você vai.

O primeiro toque na água, é como se você estivesse asfixiado por toda sua vida e só agora descobriu como é respirar de verdade, o vento é diferente, ele tem um cheiro diferente, forte.

O sol brilha tão forte que mesmo que houvessem nuvens no céu, a resplandecência seria a mesma.

Ao que navega feliz em direção ao sol, ele parece estar fugindo cada vez mais de você, com medo talvez, você pensa. Na verdade o tempo passou rápido; - É hora de ir embora.

Você então volta pra casa, se lembra daquele momento único, um dos melhores da sua vida.

E por fim descobre que no fim do dia foi tirada uma foto. E o mar estava verde, e o sol não brilhava tão forte, e as nuvens estavam lá.

E a felicidade vai embora, o sorriso se deforma, as historias perdem hora.

Antes de dormir, agoniado, você reflete que tudo o que o seu coração mais quer, é voltar àquele mar, mesmo que em consciência você saiba que estará fazendo bobagem.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

secondhand serenade - it's not over

My tears run down like razorblades
And no, I'm not the one to blame
It's you ' or is it me?
And all the words we never say
Come out and now we're all ashamed
And there's no sense in playing games
When you've done all you can do

But now it's over, it's over, why is it over?
We had the chance to make it
Now it's over, it's over, it can't be over
I wish that I could take it back
But it's over

I lose myself in all these fights
I lose my sense of wrong and right
I cry, I cry
It's shaking from the pain that's in my head
I just wanna crawl into my bed
And throw away the life I led
But I won't let it die, but I won't let it die

But now it's over, it's over, why is it over?
We had the chance to make it
Now it's over, it's over, it can't be over
I wish that I could take it back

I'm falling apart, I'm falling apart
Don't say this won't last forever
You're breaking my heart, you're breaking my heart
Don't tell me that we will never be together
We could be, over and over
We could be, forever

I'm falling apart, I'm falling apart
Don't say this won't last forever
You're breaking my heart, you're breaking my heart
Don't tell me that we will never be together
We could be, over and over
We could be, forever

It's not over, it's not over, it's never over
Unless you let it take you
It's not over, it's not over, it's not over
Unless you let it break you
It's not over

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Quando o meu hoje te encontrar amanhã.

As estações serão diferentes, assim como as pessoas, o tempo e, principalmente, você.

Você vai estar com olhos mais distantes, desconfiados e vividos.
Você vai sorrir por fora e quem sabe me dar um abraço.

As perguntas estarão cada vez mais longe do que um dia foram tão pessoais.
As palavras vão sair cada vez mais dificeis, forçando ao apelo da indiferença.

E quanto a mim, eu serei a mesma pessoa, a mesma pessoa que hoje é assim, te olhando com os mesmos olhos de quando te conheci, com os mesmos olhos de quem estivesse vendo um anjo pela primeira vez.

E talvez estivesse, mas sem aceitar a negação do inconsciente, de que anjos não existem, e mudar é inevitável, mas eu ainda sou o mesmo, quem pode evitar?

domingo, 2 de novembro de 2008

O Acerto é passageiro.

Mas o erro é eterno.

E não importa o quanto você acerte, são seus erros que vão te definir.

Todo mundo gostaria de poder voltar atrás e fazer as coisas diferente, arrependimento é consciência, consciência é reflexão e, se você reflete em algo, e percebe que errou, sabe que errou, sabe onde errou, a tendência é não fazer denovo, até que algo novamente abala as estruturas, e o que era lógico e racional, se distorce em meio às emoções.

Óculos da realidade, né. Não deixar abalar o cotidiano, é uma coisa difícil olhar pra frente quando o seu cérebro fica lá pra trás, é dificil levantar a cabeça quando se quer andar de olhos fechados.

E se the o.c me ensinou alguma coisa, é que não dá pra mudar o que você fez, porém, você pode tentar ser uma pessoa melhor e, com os erros do passado, poder acertar no futuro.

O que você faz define quem você é, e nesse exato momento, eu sou uma lágrima tentando não se perder em um mar de falsas canções.

domingo, 19 de outubro de 2008

Sete meses sem você

quando a gente percebe que o melhor da vida, a melhor parte da gente se foi, como fas :~?
não fas.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Abandono, eu ainda estou aqui.

Eu sempre fui um cara de muitos amigos, amigos mesmo, daqueles os quais eu posso confiar, falar tudo e sei lá, conversar sobre a vida. Mas como eu falei, amigos, no masculino.

Então, eu entrei na faculdade, fiz muitos outros amigos, amigas também, e a vida seguia feliz, assim achava eu.

E quando você conhece muitas pessoas, você sabe que, uma hora ou outra, a farra acaba. Não dá para andar em bandos, não somos aves. Então eu estava lá com meu grupo seleto de amigos e amigas, até que uma se tornou especial demais, em tempo de menos.

A gente não partilhava tanto dos mesmos gostos, nem tinhamos tanto em comúm, mas sei lá, acho que teve uma conexão, fraternal, talvez, não sei. A verdade é que a gente começou a fazer educação física junto, e a hora da ed. Física então, virou a nossa hora.

E acreditem ou não, acho que foi aí que eu vi a maior amizade da minha vida crescer, ou pelo menos eu achava. Naquela época, eu realmente acreditava que não conseguiria viver sem alguém, no caso, sem ela. Obviamente que eu não consigo viver sem minha mãe etc e tal, mas isso todo mundo sabe sobre mim, enfim.

E a gente conversava por horas e tudo mais, era mágico, sei lá. Foi a primeira pessoa em que eu cheguei a chamar de "Melhor amiga" pois como eu disse, eu sou uma pessoa de muitos amigos, todos especiais e amados, mas é dificil mensurar uma amizade. Porém, com ela não era.


Assim passaram-se os meses e, consequentemente, o ano, um ano e meio. Até que certa vez parei pra reparar, e senti que as coisas mudam. As coisas mudam, as pessoas mudam e simplesmente acabam. A gente nessa época ainda tava na mesma sala, mas ela já não era mais a mesma, pelo menos não comigo ou whatever. Ela sempre foi a pessoa que todo mundo gosta, que sorri e brilha pra quem quer que seja, e eu gostava disso, contanto que ela continuasse brilhando pra mim, i guess. E assim eu percebi que isso já não ocorria mais e a gente estava se afastando, na época eu não sei porque não liguei, acho que eu considerei algo normal, ou nunca considerei o tamanho dessa mudança, ou talvez nunca parei pra refletir de verdade o quanto isso iria me afetar futuramente, pois eu não achei que iria, eu acho.



Hoje, ela está lá e eu estou aqui. Se em nossos encontros, mais de 10 palavras forem ditas, digo que é uma evolução. A encontro no corredor, ela diz: "Oi gente" dá beijo e sorri pra todo mundo, e inventa algo que a faz ir embora rapidamente, afinal, ela também sabe que é constrangedor ficar em um ambiente que já não é mais familiar e os assuntos não coincidem.


Acho que na hora, no momento, eu tenho muito na minha mente pra poder parar e refletir na questão toda, dela ter se afastado, das coisas terem mudado e tudo mais, então por isso, acho que na hora eu não ligo.


Aí então eu chego em casa, e simplesmente um click, uma foto antiga nossa que eu vejo, faz meu humor cair de ótimo, pra horrível. E eu paro e me pergunto, será que sou só eu que sinto isso? Será que a pessoa que um dia me apresentou para outras pessoas como o seu melhor amigo, não sente a mesma coisa do que eu?

Eu acho que, infelizmente, eu sempre fui só alguem pra suprir as necessidades, ouvir as mágoas e abraçar quando ela precisou. Então, quando outra pessoa que fizesse a mesma coisa aparecesse, e lhe fosse mais conveniente, a troca seria feita na hora. E assim foi.

E sei lá, eu tenho tanta mágoa em relação a isso e simplesmente não consigo falar, não falar faz mal, falar também, e o que fazer? Não sei.

Eu sei que se eu falar isso tudo, não vai mudar. Nunca mais vai ser o que era antes, eu não espero isso, eu não quero isso, eu posso viver sem ela, obviamente, faz muito tempo que eu sei disso.

Mas eu queria saber se tem uma maneira, algo que eu posso fazer, de não me sentir mal toda maldita vez em que eu vejo uma foto antiga ou ouço uma música que me lembra ela, porque pra ela eu posso ser mais um amigo que ficou pra trás, mas pra mim, ela sempre vai ser a melhor amiga que me abandonou sem dizer tchau.



;~

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Afinal, o que é um relacionamento?

É aquela coisa onde é acordado entre as duas pessoas, que a partir deste exato momento, eles estão ligados por uma força maior, o comprometimento, a palavra sagrada, a aliança da verdade?

O que é traição?

É estar namorando e beijar/fazer sexo com outra pessoa? se não namora, não há traição?

Desejo é normal, se sentir atraido por outras pessoas também. Flerte é algo comum, todo mundo precisa de uma dose a mais de ego pra ser feliz.


Para mim, relacionamento é quando duas pessoas se gostam e querem ficar juntas, fim de papo. As vezes não precisa ser dito isso para ficar claro.

Traição nesse caso não existe, afinal, não há comprometimento.

Mas a verdade é que dói mesmo assim.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Tear -c tac.

A sensatez é, sem sombra de dúvida, tudo que há de oposto à emoção.

Não dá pra ser sensato no amor, dá pra entender, mas desde quando as pessoas agem com a cabeça?
Que diabos, amor é um sentimento. A gente não pensa, a gente sente. E quando a gente não pensa, acho que a gente esquece que os outros sentem, ou esquece o que os outros sentem, porque os outros sentem. O excesso de sensatez leva a uma discrepância ao amor, ao sentir, isso é o primeiro passo para a perdição.


Eu to perdido.

domingo, 24 de agosto de 2008

Um calendário depressivo.

É o que esse blog é, pelo menos pra mim. Porque incrivelmente eu só escrevo aqui quando eu me fodo, quando eu perco, quando eu to mal, pelo menos ultimamente.

Avaliar e saber determinar prioridades é o primeiro passo para ser uma grande pessoa e dar certo na vida, então eu digo vêemente que é por isso que eu me acho tão pequeno nesse mundo de titãs, mesmo sabendo que eu sou bom em certas coisas. Não adianta ser bom se você não sabe dar prioridade, se não for constante, estável.


Eu sou uma pessoa instavel e não sei priorizar o que deve ser priorizado. Sentimental, coração fraco, quase parando e ao mesmo tempo batendo tão forte que eu consigo ouvi-lo palpitando no meu pescoço a cada respiração minha.


E aí eu começo a me perguntar como seria uma vida sem mim...

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Tá tudo tão errado.

De fato.

Em poucas semanas a vida deu umas guinadas que eu nunca imaginei que aconteceriam. But again, a gente nunca acha que nada vai acontecer e sempre acontece, ou sei lá.

Eu queria ser mais estável em relação ao que eu sinto, e talvez mais racional. Além de eu sentir demais, eu acabo fazendo e falando coisas que me arrependo extremamente após ter feito/falado em momentos de emoção, raiva, sei lá.

BUT AGAIN², eu queria tanta coisa.



Só queria que tudo estivesse bem, mas a verdade é que nunca vai estar.



Nem sei.

domingo, 20 de julho de 2008

terça-feira, 1 de julho de 2008

I don't need you, i want you

Your romantic rights are all that you got
Push them down son it's more than just lip
C'mon girls I know you know what you want
C'mon, C'mon now and give them all shhhhh
You're beating walls now you just won't quit
You play with shapes but they just won't fit
I know you love me you don't know what you like
You're watching TV I stay up all night

I don't need you
I want you

South Carolina kid is heating things up
His wounds are bleeding and we're filling the cup
This game will save us if we don't die young
C'mon, c'mon now yea have some fun

Come here baby I love your company
We could do it and start a family
She was living alone unhappily
We could do it, it's right romantically

I don't need you
I want you

sexta-feira, 20 de junho de 2008

O saber

Se a gente soubesse de tudo que acontece na vida de todas as pessoas, seus sentimentos e pensamentos, cristo, estariamos perdidos. A internet começou a trazer um pouco mais essa idéia a tona, o fluxo de informação às vezes acaba sendo demais pra uma pessoa conseguir controlar sozinha. Deixa eu exemplificar:

- Oi, vamos no cinema?
- Não vai daar.. vou ter que cuidar da minha vó hoje.

Ok, você acredita né.

No dia seguinte, você abre o orkut da pessoa:

- MENINAAAA A BALADA ONTEM FOI 10 ADOREI SAIR COM VOCE TE LIGO GATA BJS :*

._. SACA OQ EU QUERO DIZER?

Obviamente a pessoa não vai dizer "Vou sair com outra pessoa" por dois motivos: você não pode saber que existe outra pessoa e ela não quer te magoar também.

Isso é filhadaputagem? é egoismo? NÃO.

Todo mundo é assim, percebi hoje. A diferença é que hoje em dia, quem quiser descobrir, descobre.
E é meio ruim, né. Dói um pouco, parece que tudo é mentira e você só está sendo usado momentaneamente, esse tipo de coisa. Mas não é bem assim, é só como as coisas sempre foram, só que hoje mais exposta.


TENSO.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Pt. 04: O Tempo

Esqueça a música dos rolling stones, o tempo não está do seu lado.

Quando você precisa de tempo, ele simplesmente passa voando.
Quando você quer que ele passe, acredite, um segundo é uma onda de suspiros e pensamentos.

Sabe quando você vai deitar pensando "Preciso de um tempo, o tempo vai fazer passar, o tempo vai melhorar, dormir vai fazer passar o tempo" ?

Você deita, são 3:15 da manhã, repensa sua vida toda, todos os momentos, coisa que fez de errado, o que poderia ter feito para as coisas serem diferentes, tudo. Você dorme.

Acorda e ainda está escuro, que diabos, parece que algo te acordou. São 3:32 da manhã e o sono tá longe de voltar pra você. Agora só lhe resta seus pensamentos e aquele tal de tempo pra te incomodar.


Não passa, não passa.





:~

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Palavras de amor jogadas ao vento

Eu não estava exagerando quando criei a imagem-título do blog: your world can change in a hearbeat.

Antes tudo que parecia certo e no lugar, se desloca de uma maneira incrivelmente rápida e, infelizmente, dolorosa.

-Você jura dizer a verdade, somente a verdade e nada mais que a verdade?
-NÃO

As pessoas deveriam saber se expressar melhor. Aliás, deveriam saber se expressar, aprender a não reprimir sentimentos, palavras, idéias e tudo mais. Tá certo que em certas situações isso é necessário, mas estou falando de uma situação diferente aqui. Tudo pode ser resolvido em uma conversa, tudo pode acabar bem com uma simples conversa, mas que diabos seria dessa vida sem o grande emocional destruindo caminhos, não é?

Como alguem fala EU TE AMO e simplesmente te destroi?
é tipo, "Eu te amo" *shoots in the head*

Lindo, bela forma de demonstrar o amor, vou usar isso mais vezes, pra ser sincero.

O que foi não volta mais, escrevo isso pra não esquecer e nunca mais me iludir.

"sai desse lago" disseram.
"cuidado pra não morrer afogado" disseram ainda mais.

Escutar os outros às vezes faz bem, fica aí a dica.



Não se arrependa nunca, faça valer a pena.

O fim vai sempre vir, e nunca vai ser bom.

É com um fim que se dá um início, e assim a vida segue em frente.


:~

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Down with love

Tava quase achando que eu não iria postar aqui justo hoje, né? (essa pergunta foi pra mim mesmo, eu sei que quase ninguem lê, ok?)

Eu vou pegar esse post, esse espaço e esse dia em especial, não pra falar de namoro, e sim de amor.

O conceito de amor hoje em dia está totalmente modificado. Modificado pra mim e para as pessoas do meu círculo de convivência também. Na verdade, eu já nasci nessa fase modificada.
Cresci aprendendo que amor era a forma mais pura de devoção, vontade de estar com a pessoa e fazer de tudo por ela. Pelo menos era isso que diziam e ainda dizem os filmes, malditas comédias românticas.
Com essa visão de amor, a gente começa a construir nossos próprios sonhos e expectativas para o amor, com isso, a gente não encontra mais amor, e sim procura. E, meu amigo, já ouviu aquele ditado de 'quem procura acha' ? então.

Pelo menos a gente ACHA que acha. Consegue entender?
vou descrever com certa ironia.

- MEU, essa pessoa gosta da mesma banda que eu, WOW ELA É DEMAIS (detalhe que a banda no caso pode ser beatles e babado novo, ambas adoradas por milhões)

- CARA, ela é tão espontânea e engraçada, que lindo (quem não é assim quando está à vontade?)

Essas 'estupidezes' que constituem um pseudo-amor que a gente procura sempre.

Eu to querendo dizer que amor é overated, saca. Todo mundo pode amar se quiser, mas pra esse amor continuar vivo é difícil, praticamente impossivel. Pelo menos nowdays.

Você já teve a chance de encontrar o seu primeiro, verdadeiro e único amor?
Daquele que não existe mais, mas você ainda sente no seu peito, de quando você pensa na pessoa e volta todo o sentimento e, com ele vem a tristeza da nostalgia e você revive na sua cabeça tudo o que já foi?

Se não, eu digo que você é uma pessoa de sorte, ainda vai acontecer.

Se sim, tudo o que você tem a fazer é continuar se enganando, não vai ficar melhor do que isso.



Feliz dia dos namorados

domingo, 8 de junho de 2008

Escrever está ficando cada vez mais difícil. Sabe quando você acaba de acordar, fecha as mãos forte mas não consegue fechar direito por falta de força e tal? Então, estou me sentindo um pouco assim.

I need strenght, vou na busca do meu HM04.


:c

quinta-feira, 5 de junho de 2008

It's all downhill from here

When you get to achieve some happiness, believe me, you will fall.

And eventually you will rise, or not.

There's nothing wrong with pessimism, the things are just like that and that's the end.

Get to know who you are, who you are with, who your friends are and everything you have, because, my friend, It's certainly no getting any better, any cooler, anything.

And you will also notice that it doesn't matter what you do, it's all downhill from here.


E pau no cu de quem não entende ingles.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

That little piece of heaven

Acho que todo mundo tem um lugar feliz. Não precisa ser físico (pode ser poeta e advogado também rsrsrs). Não, sério. Acho que todos temos um lugar feliz, o qual nós procuramos em momentos de dificuldade, de tristeza e, principalmente, solidão.
Para mim, no caso, é uma mistura de dois lugares: Minha cama e minhas lembranças.
As lembranças boas, assim como todas as coisas boas da vida, nos deixam posteriormente nostálgicos. O que não é bom, pra falar a verdade. Talvez esperançosos, é relativo.

É um processo.
Eu deito na cama. Independente do meu estado de espirito, eu penso sempre naqueles dias específicos e o quanto tudo foi perfeito. De olhos fechados eu volto pros momentos, revivendo-0s na minha memória, meu coração até bate mais forte, é sério.

Eu abro os olhos e volto pra realidade. Foi bom enquanto durou.

Talvez, se tudo fosse pra sempre, não seria tão bom. A felicidade está nas lembranças, a incerteza do presente nos deixa preocupados demais pra viver a intensidade do momento e, qualquer momento passa em um piscar de olhos.


:~





domingo, 1 de junho de 2008

Frustração

Vou escrever em primeira pessoa agora.

Quero desabafar.

Acho que é a única coisa que eu quero e consigo realmente fazer.
Eu quero tudo, fazer tudo, saber tudo. Não funciona.

Estava fazendo uma montagem no photoshop há pouco, desisti por falta de competência pra fazer exatamente o que eu queria.

Quero voltar pra academia, sempre falo, nunca vou.

Preciso marcar endócrino, sempre falo, nunca marco.

Quero ler mais, não leio.

Quero estudar mais música, nem perto disso.

Quero tocar tal música, falta dedicação.

Queria desenhar mais, não pego no papel.

Enfim, queria ser uma pessoa melhor, mas tudo que eu sei fazer é desabafar.

sábado, 31 de maio de 2008

CRASH

É igual um terremoto, você nunca espera por um, e quando vem, vem com tudo.

Tudo treme, você fica perdido, desnorteado, desorientado, com medo.

O coração bate rápido, você não acredita que está acontecendo.

Sua vida inteira diante de seus olhos, você esquece.

Parado, você para e pensa na dor, a dor.

Pensa na dor de tudo que já foi.

Pensa na dor que vai ser.

A dor que está sendo.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Pt. 3: O som

É mais uma metáfora do que qualquer coisa.
Preferia o literal, agrada mais, muito mais.
Há momentos em que sua ausência é tudo, mas não dá pra viver sem.
É viver uma mentira, a mentira que lhe é contada, que é passada e afirmada.
Acredita aí, tá tudo bem sim.
Aham.
Se ao menos não houvesse eco, seria tão mais fácil, ou seria fácil, porque 'tão mais fácil' dá a impressão de que é fácil.
Não é.

Então surge a dúvida, ouvir ou não ouvir? Acho que não importa, nenhuma das duas acaba bem de qualquer jeito.
A opção é escolher qual vai doer menos.




Amanhece, o sol não vem, vento não há.

Mas o som, esse não cessa, nunca.

Pt. 2: O vento

Os olhos secam enquanto a chuva para.
A vontade é de enfrentar, mas é um esforço à toa.

A melhor alternativa é ir atrás, ir junto, seguir a mesma direção.

Há outras alternativas;
Nenhuma vai lhe dar o que queres, mas também não vai tirar.
Faz algum sentido? existe apenas um, e não é você que determina.

O vento bate e os olhos não secam, vocês estão na mesma direção dessa vez.




A chuva e recomeça, e com ela voltam as lágrimas.

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Pt. 1: O Sol

Como qualquer coisa da vida e do universo, tudo tem dois lados (subjetivamente, claro, uma bola não tem dois lados).
É simples, sabe, ação e reação. A gente aprende no colégio.
O calor, ahhh... o calor.

Esse é o maior de todos. Sendo assim, pode ser tanto o melhor, quanto o pior.

E de fato é. Dos melhores momentos aos piores em uma rotação. Das lembranças felizes às tristes em uma translação, ou mais.

Ondas de calor e luz convergem entre um espaço que, antes esquecido, agora maior e mais vazio do que um dia pareceu ser.

Você olha, você quer olhar, mas você não consegue. Você sente, você não quer sentir. Não há como evitar.

E assim prossegue o momento do Sol, um momento que é muito mais sinestésico do que qualquer outra coisa. Antes fosse filosófico.



A Lua ainda não surgiu na minha janela, mais um dia sem a luz que eu preciso.

Separate and ever deadly

O tempo está esfriando.
Assim como o tempo, o rítmo da vida começou a decair um pouco também.
Me pergunto se essa conexão é emocionalmente válida; assim como as pessoas são 'de lua', podem ser de sol também, ou de vento, chuva, nuvem? não, nuvem não.
E com essas e outras reflexões inúteis eu vou desenvolvendo um pensamento.






Esse post não tem conclusão, é uma introdução, o fim está distante, assim espero eu.





Hoje a Lua é minguante, à propósito.



Iuri





terça-feira, 27 de maio de 2008

Enquanto você não vem.


Enquanto você não vem, eu fico. E continuo ficando, assim, meio que esperando.
Percepção é algo relativo, entendimento é consciente. Entendeu?
Se não, finge que sim. Esse é o dilema da sociedade, na verdade. Não sabe? Finge que sim.
Não quer? finge que sim. Tá mal? finge que tá bem. Máscaras, puta tema clichê pra abordar, não o farei aqui.
Mas que é intrigante, é.

It starts with.

Não que cantar seja sinal de mediocridade, muito pelo contrário, é sinal de edadricoidem.
E nem era a intenção começar com piada.

Escrever Reflete estado de espirito. Se eu estivesse em Vitória, refletiria o estado de Espirito Santo. Que derrota, meu deus.

A pretensão é fazer a reflexão do estado de espirito se converter em algo usável e interessante (ou não, por exemplo, hoje estou animado, logo, meu texto é extrovertido e totalmente não-interessante para bloghunters que buscam alguma depressão nova em folha, ou melhor: nova em site.) Assim, tenho um lugar para recorrer quando quiser ler, escrever e, virtualmente, viver.

Enfim, essa foi uma introdução *sente o pau grosso entrando por trás* ao blog, se tem continuação ou não, não sei. Só sei que blog é tããããão five years ago. (por isso o título, veja).


Abraços,



Iuri